sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Fidel, Cuba e a revolução

Fidel Casto foi vencido pelo tempo. Após quase 50 anos no poder, o Comandante de Cuba renunciou ao cargo de presidente, em fevereiro do ano passado, numa carta aberta à nação. Sim, Fidel modificou o mundo, desafiou os Estados Unidos de peito aberto e sobreviveu para contar a história. Investiu na área social, transformou a Ilha num país de resistência, mas também cometeu pecados que poderiam ser assinados pelos piores ditadores. A perseguição aos inimigos políticos e a ambição fizeram, muitas vezes, o ditador derrubar o estadista, a força calar as palavras.
Apesar dos erros, não podemos negar que Fidel conseguiu deixar seu nome no inconsciente coletivo. Certamente, mesmo num futuro distante, suas façanhas, como a vitória em 1961 sobre os Estados Unidos na invasão à Baía dos Porcos, vão ser lembradas com detalhes. A revolução de armas e idéias ultrapassou fronteiras e, por anos a fio, alimentou velhas utopias comunistas. Os anos desfizeram muitas delas, mas, mesmo no campo inimigo, o líder jamais deixou de ser respeitado.

Na Argentina - O governo argentino divulgou hoje fotografias do encontro de sua presidente, Cristina Kirchner, com Fidel Castro, desmentindo os rumores sobre um suposto agravamento do estado de saúde ex-presidente de Cuba. As imagens foram feitas ontem.

3 comentários:

Mada disse...

Ah! Fidel. Mito que consagra-se na história do mundo. Pessoa do bem ou do mal? A história irá julgá-lo, mas o fato de desafiar os EUA, para mim, já é um ato de coragem.

Anônimo disse...

Ah! Fidel. Mito que consagra-se na história do mundo. Pessoa do bem ou do mal? A história irá julgá-lo, mas o fato de desafiar os EUA, para mim, já é um ato de coragem.

Graziele Zahara disse...

Vivo ou não, o dono de uma das memórias mais facinantes do planeta nos dá a chance de todo mês nos deliciarmos com os artigos que publica na revista Caros Amigos.