sábado, 9 de maio de 2009

Raio X do Brasileirão


Vai começar hoje o Campeonato Brasileiro da Série A e, com ele, surgem as famosas projeções sobre os favoritos ao título. Na pressa das redações, a maioria dos comentaristas faz uma análise mais imediatista ao falar dos principais candidatos e esquece alguns fatores importantes. Hoje, o Internacional aparece como a equipe a ser batida na competição, não pelas impressionantes goleadas aplicadas no Gaúcho e nas primeiras etapas da Copa do Brasil, mas pelo título da Sul-Americana e pelas belas apresentações do final do ano passado. Ressaltadas as virtudes do Colorado, precisamos agora ter um pouco de cuidado para completar esta análise, principalmente, porque o Brasil tem algumas peculiaridades em seu calendário e muitos clubes dispostos a investir.

O mito dos Estaduais - A primeira restrição às análises mais afobadas é a força desmedida que parte da mídia dá aos campeonatos estaduais. Nesse período do ano, os times estão em formação e, muitas vezes, o trabalho de preparação física é diferente nos grandes clubes. Há equipes que pensam a curto prazo para chegar perto do auge físico ainda no primeiro semestre, ou seja, na Copa do Brasil ou na Libertadores. Outros times estabelecem metas mais longas, para tentar atropelar os adversários na segunda metade do ano.
Além dessa questão, é bom lembrar que muitos clubes estão no início da formação e precisam de tempo para chegar ao ápice técnico. Outros, já formados, levam grande vantagem sobre os demais simplesmente porque seus jogadores conhecem os atalhos do grupo. Muitos torcedores cobram resultados imediatos de suas equipes sem levar em conta esse aspecto fundamental.



Crédito da foto: Divulgação/VIPCOMM

Nesse quesito, São Paulo, Inter, Cruzeiro, Sport, Corinthians e Flamengo levam boa vantagem sobre os demais, já que a base do ano passado foi mantida e poucas peças de reposição chegaram nesta temporada. Mas ainda existe uma perigosa restrição aos times quase prontos: a janela de transferência. Formadas, essas equipes tendem a se destacar no início do ano e despertam a cobiça dos clubes do exterior. Se o grupo não for homogêneo e o poder financeiro não ajudar, um time pode ser desmanchado do dia para a noite. Neste caso, a equipe que estava em formação no meio do ano e ficou à margem da mídia neste período de projeções pode ganhar espaço e entrar no seleto grupo de favoritos. Mas, para isso, precisa ter bons jogadores em todos os setores e capital para suprir prováveis carências do elenco. Neste perfil, se encaixam o Fluminense, o Grêmio e o Palmeiras.



Crédito da foto: Wander Roberto/VIPCOMM

O fator São Paulo - O Tricolor Paulista jamais pode ser menosprezado na casa de apostas do Brasileirão porque, apesar de não ter feito contratações de impacto este ano, como Corinthians, Flamengo e Fluminense, tem um plantel homogêneo e força de caixa para repor o “estoque” rapidamente. Além disso, o São Paulo conta com toda a estrutura necessária para um time ser campeão nacional - centro de treinamento de primeiro mundo, departamentos médico e de fisioterapia de qualidade atestada até por profissionais da Europa, estádio próprio, comissão técnica que conhece muito bem o grupo e finanças equilibradas. Essa é fórmula do sucesso do Tricolor, que deve ser copiada sem erros por quem pensa em chegar ao topo do Nacional.



Perigos - Podemos citar ainda dois fatores que podem tirar favoritos da estrada do título nacional: Libertadores e Copa do Brasil. Nesse início de Brasileirão, os grandes clubes direcionam o foco para os mata-matas e, se chegarem às fases finais dessas competições, com certeza, sua participação no segundo semestre vai ser comprometida. Primeiro, porque, na maioria dos casos, os times de destaque “tiram o pé” das divididas no campeonato mais longo, e segundo, porque ganham uma grande exposição na vitrine do futebol. Dessa forma, seus principais jogadores acabam acertando uma transferência para o exterior e a equipe tem dificuldades para reencontrar o seu caminho. A exceção desta regra foi o Cruzeiro, campeão da Copa do Brasil e do Nacional em 2003, e a maior vítima dela foi o Fluminense, que chegou à final da Libertadores no ano passado e quase foi rebaixado para a Série B do Brasileiro.

Avoé! Isso posto, meus caros leitores, peguem suas tabelas, façam suas avaliações e podem afinar a garganta. O Brasileirão começa hoje com os jogos Avaí x Atlético-MG, Palmeiras x Coritiba e Sport x Barueri, todos eles marcados para as 18h30.



Grupo dos 20 - Vão disputar o Nacional deste ano Avaí, Atlético-MG, Atlético-PR, Barueri, Botafogo, Corinthians, Coritiba, Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Goiás, Grêmio, Internacional, Náutico, Palmeiras, Santo André, Santos, São Paulo, Sport e Vitória.


Crédito da foto: Ricardo Ayres/Photocamera

Regulamento - O Campeonato Brasileiro será disputado com a fórmula de pontos corridos, todos contra todos, em dois turnos, até o dia 6 de dezembro. Quem fizer mais pontos, fica com a taça. Os quatro primeiros colocados se classificam para a Libertadores, e os quatro últimos caem para a Série B.

Rebaixamento - Os times de menor investimento correm mais de serem rebaixados, mas seria precipitado e até cruel fazer uma lista dos ameaçados. É melhor esperar a bola rolar para fazer projeções mais precisas.

Jogos de hoje

18h30 Palmeiras x Coritiba

Palmeiras - Bruno; Wendell, Maurício Ramos, Danilo e Armero; Pierre, Souza, Cleiton Xavier e Diego Souza; Willams e Keirrison Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

Coritiba - Vanderlei; Rodrigo Mancha, Pereira e Felipe; Márcio Gabriel, Leandro Donizete, Pedro Ken e Carlinhos Paraíba; Marcelinho Paraíba; Marcos Aurélio e Ariel. Técnico: René Simões

18h30 Sport x Grêmio Barueri

Sport - Magrão; César, Igor e Durval; Moacir, Hamilton, Daniel Paulista e Dutra; Paulo Baier; Wilson e Vandinho. Técnico: Nelsinho Baptista.

Barueri – René; Marcos Pimentel, Daniel Marques, Leandro Castan e Márcio Careca; Ralf, Everton; Thiago Humberto e Basílio; Fernandinho e Pedrão. Técnico: Estevam Soares.



Crédito da foto: Site oficial do Atlético-MG

18h30 Avaí x Atlético-MG


Avaí - Eduardo Martini, Ferdinando, André Turatto, Émerson e Uendel; Marcus Vinícius, Léo Gago, Odair e Muriqui; William e Evando. Técnico: Silas.

Atlético-MG - Juninho, Leandro Almeida, Wélton Felipe e Rafael Miranda; Élder Granja, Renan, Márcio Araújo e Júnior; Fabiano; Éder Luís e Diego Tardelli (foto). Técnico: Celso Roth.

Amanhã


16h Corinthians x Internacional
16h Atlético-PR x Vitória
16h Fluminense x São Paulo
16h Cruzeiro x Flamengo
18h30 Santo André x Botafogo
18h30 Grêmio x Santos
18h30 Goiás x Náutico

Um comentário:

Mada disse...

A análise que você faz, Victor, tem toda uma lógica. Nós, como torcedores, temos consciência desta realidade, mas deixamos a razão e optamos pelo coração. Cito isso como meu exemplo e de milhares de atleticanos que, mesmo sabendo que o time tem poucas chances de levar a taça, não se entrega e torce e vive de esperanças. O plantel do galo ainda é tímido e não tem grandes estrelas como as demais equipes, mas com certeza, a torcida, 12° jogador vai empurrar o time para uma boa colocação.