quinta-feira, 25 de junho de 2009

Análise da vitória do Cruzeiro sobre o Grêmio



Fotos: Divulgação/VIPCOMM

Cheguei há pouco do Mineirão e posso garantir aos meninos que vi uma partida estranha nesta quarta-feira. No começo do duelo entre Cruzeiro e Grêmio, válido pelas semifinais da Libertadores, os donos da casa cercavam, mas eram pouco efetivos nas conclusões. O Tricolor fechava os espaços e quase abriu o placar com o atacante Máxi López. Após roubar a bola de Thiago Heleno, Máxi ficou na cara do gol, mas carimbou a trave.
Havia um grande equilíbrio nas ações até o Cruzeiro abrir o placar, aos 37 minutos. Kléber fez boa jogada pela direita e achou a cabeça de Wellington Paulista (foto), que não perdoou. Na sequência, Souza, principal jogador gremista, arriscou de fora da área e Fábio fez uma grande defesa.
Na etapa final, mais confiante, a Raposa cercou o adversário, pressionou na saída de bola e marcou mais dois gols, com Wagner, aos 2 minutos, e Fabinho, aos 22´. O Cruzeiro tinha o domínio da partida e poderia até ter nocauteado o Grêmio. Mas o time se acomodou, preferiu tocar a bola e sofreu um gol de falta, batida por Souza, aos 33´.
A vitória cruzeirense por 3 x 1 credencia a equipe mineira a poder ser derrotada por um gol de diferença no próximo dia 2, em Porto Alegre. O Tricolor ainda tem esperanças de vencer por 2 x 0 e chegar à sonhada decisão da Taça Libertadores.

Racismo - Após o jogo, o volante do Cruzeiro Elicarlos disse que foi vítima de racismo. O acusado foi o argentino Máxi López, que, segundo o jogador cruzeirense, lhe chamou de macaco. O caso acabou na delegacia, mas o argentino acabou sendo liberado. Hoje, a denúncia pode ter desdobramentos.

Árbitro - O juiz chileno Henrique Osses sofreu uma lesão muscular na panturrilha direita durante o segundo tempo e foi substituído pelo compatriota Jorge Osorio, que trabalhava como quarto árbitro. A situação inusitada foi muito comentada nas arquibancadas do Mineirão.

Disparou - O Cruzeiro faz a melhor campanha da Libertadores, com nove vitórias, um empate e uma derrota. Ontem, o Grêmio sofreu o primeiro revés na competição deste ano.



Força - O Cruzeiro abre muito bem suas jogadas pelos flancos, principalmente o direito. Jonathan, Kléber e Wagner se apresentam pelas pontas e conseguem fazer o jogo da equipe fluir.

Dono do time - O time do Grêmio é um satélite que gira em torno do meia Souza. Ele articula as jogadas, chuta de fora da área, municia os atacantes, aparece para concluir e ainda bate faltas e escanteios. Se o adversário do Tricolor conseguir pará-lo, terá meio caminho andado para vencer.

Público - 51. 696 pessoas pagaram ingresso na partida entre Cruzeiro e Grêmio, e a renda foi de R$ 1 milhão 387 mil.

CRUZEIRO: Fábio, Jonathan, Leonardo Silva, Thiago Heleno e Marquinhos Paraná; Fabinho, Elicarlos (Jeancarlos), Henrique e Wagner (Bernardo); Kléber e Wellington Paulista. Técnico: Adilson Batista.

GRÊMIO: Marcelo Grohe, Ruy, Leo, Réver e Fábio Santos; Adilson, Túlio, Tcheco e Souza; Alex Mineiro (Herrera) e Maxi López. Técnico: Paulo Autuori.

Semifinal - Hoje, o Estudiantes recebe o Nacional, às 19h30, na outra semifinal da Libertadores.



A falta de estrutura do Mineirão

Os estádios brasileiros vão precisar mesmo ser reconstruídos para a Copa do Mundo de 2014. Fiquei impressionado com o desrespeito ao torcedor numa partida de Libertadores. No Mineirão, as escadas que dão acesso à praça esportiva são estreitas e mal sinalizadas. As filas não têm policiamento e, a qualquer momento, pode explodir uma confusão. Para completar, nas arquibancadas e geral, a polícia não tem controle sobre a massa.
O torcedor comum não tem o mínimo de segurança no estádio e ainda precisa conviver com vândalos que jogam bombas e fumam maconha durante a partida. É preciso ter muito amor ao futebol para suportar tamanho sofrimento e ainda pensar em voltar a uma praça esportiva.

4 comentários:

Marcos Goulart disse...

Como o Brasil vai ser a sede da Copa do Mundo em 2014 vai dá melhor estrutura aos estádios de futebol pelo país. Quanto ao futebol em que o Cruzeiro avançou muito para ser finalista da Libertadores foi graças mais ao baixo empenho do Grêmio do que o bom futebol do Cruzeiro. O time azul foi mais feliz nos arremates a gol e dando um grande passo para a conquista do campeonato.

Anônimo disse...

O Cruzeiro, como era de se esperar abriu a vantagem, mas não acredito que seja tão fácil vencer o Grêmio. Aos cruzeirenses vai um recado. Abaixem a bola. Ainda tem jogo de volta. O tombo pode ser maior.

ARTHURITO CMA disse...

VCS TB FALARAM ISSO CONTRA O SAO PAULO ...

TRIII CAMPEAOOOOOOOOOOOOO !!!!!!!!!

Marcos Goulart disse...

O jogador Eli Carlos se sentiu ofendido por um jogador do Grêmio tê-lo chamado de macaco. Nesse país crime de racismo é lei e deve ser respeitado. Mas o Cruzeiro acabou é colocando mais pimenta na partida que ´fará contra o Grêmio, em Porto Alegre. O jogo de volta para a Libertadores ficou mais complicado para o Cruzeiro. Em torno desse jogo criou-se uma atmosfera de guerra, de revanche. O Cruzeiro deu um passo importante para ir em frente na competição, mas não duvide da reação gremista.