domingo, 18 de outubro de 2009

Barrichello precisa mudar sua história

Rubens Barrichello tem duas corridas para mudar sua história. O piloto que entrou na Fórmula 1 com fama de campeão preferiu adotar uma postura mais cômoda, não deu murro em ponta de faca e preferiu fazer amizades a colecionar desafetos. Por isso, ele é hoje o piloto que mais disputou corridas na modalidade, com 286 GPs, mas, por outro lado, tem apenas onze vitórias para comemorar.
Barrichello se tornou um coadjuvante a partir do momento em que aceitou ser apenas Rubinho, o gente boa que não gosta de comprar brigas. Na vida pessoal, essas características o tornam um cara simpático e cheios de amigos. Nas pistas, elas o transformam num autêntico escudeiro.
A sorte foi a maior inimiga do piloto nesses 16 anos de carreira na F-1. Nos momentos de definição, ela preferiu subir na garupa de um concorrente e intensificou os traços da caricatura em que Rubinho se transformou. Suas comemorações exageradas também fizeram a festa de chargistas e humoristas, e a graça tomou conta do personagem.
Neste ano, ele já estava quase aposentando. Após uma temporada pífia na Honda, Barrichello não fazia parte dos planos das principais equipes e seu destino seria correr na Stock Car. Mas Jenson Button gostava de Rubinho e convenceu Ross Brawn a colocá-lo no projeto da nova equipe da F-1. Brawn, que ainda tinha uma dívida de gratidão com o brasileiro pelos anos de subserviência na Ferrari, resolveu contratá-lo para o time e prolongou sua carreira na principal categoria do automobilismo.
Rubinho, mais uma vez, seguiu o seu caminho de escudeiro e, após uma pitada de ousadia, chega à penúltima corrida da temporada com chances de conquistar o título. Os 14 pontos de vantagem de Button devem pesar, assim como a amizade entre os dois. Pelo menos, neste ano, o brasileiro aumentou suas alegrias efêmeras com duas vitórias (GPs da Europa e Itália), engordou sua conta já polpuda e deverá seguir sua trilha de coadjuvante, a menos que o impetuoso piloto das categorias de base dê um chega pra lá no já envelhecido Rubinho, faça um pacto com a sorte e conquiste o título mundial na última tentativa. Mas esse final não está previsto em nenhum script. Às pressas, ele ainda precisaria ser escrito.

Corrida de hoje - A corrida de hoje do Brasil começa às 14h (de Brasília), no Circuito de Interlagos, em São Paulo. No ano passado, a Ferrari de Felipe Massa ganhou a prova e deixou a torcida em polvorosa. Por causa de algumas curvas, o brasileiro não conquistou o primeiro título nacional correndo no País.

Cenário -
Se Button vencer, ficar em segundo ou em terceiro, o título mundial vai ser definido hoje. Para Rubens Barrichello levar a decisão para Abu Dhabi, dia 1º de novembro, ele precisa diminuir a diferença de 14 para, no mínimo, nove pontos.

Mercado - Barrichello negocia com a Williams e deve mesmo fechar contrato em 2010 com a equipe inglesa. Com isso, existe a possibilidade de Nico Rosberg acertar com a McLaren.

Chuva - A expectativa da meteorologia para a corrida de hoje é que chova durante boa parte da prova. No molhado, as RBR levam vantagem sobre as Brawn.

Pole - Rubens Barrichello aposta na chuva neste domingo. Por isso, ele disputou o treino de classificação com o carro mais leve do que os dos concorrentes e conseguiu fazer a pole. Se não cair muita água, ele terá que fazer mais paradas no boxe.

Mundial de Pilotos

01 - Jenson Button» Brawn» 85 pontos
02 - Rubens Barrichello» Brawn» 71
03 - Sebastian Vettel» Red Bull» 69
04 - Mark Webber» Red Bull» 51,5
05 - Kimi Raikkonen» Ferrari» 45
06 - Lewis Hamilton» McLaren Mercedes» 43
07 - Nico Rosberg» Williams» 34,5
08 - Jarno Trulli» Toyota» 30,5
09 - Fernando Alonso» Renault» 26
10 - Timo Glock» Toyota» 24

Nenhum comentário: