domingo, 31 de janeiro de 2010

Editorial - Tudo pela Copa

Robinho estava apagado no futebol inglês. Pouco eficiente, o jogador nem de longe lembrava o atacante insinuante que conquistou o sucesso com as camisas do Santos e da seleção brasileira. Sua vaga na Copa do Mundo da África estava realmente ameaçada, mas ele recorreu a uma saída eficaz para os craques esquecidos na Europa: o retorno às suas origens.
Com o carinho do clube e da torcida, além da ampla cobertura da mídia nacional sobre todas as suas ações, é bem mais fácil convencer o técnico Dunga a incluí-lo na lista de convocação, mesmo que isso signifique diminuir drasticamente as cifras de seu salário. É um investimento. Depois de seis meses, ele retorna ao Velho Continente.
No Manchester City, Robinho poderia perder espaço para outros astros que resolveram voltar a brilhar no futebol brasileiro, como Adriano, Ronaldo, Fred e Vagner Love.
Feliz e motivado, o menino da Vila quer ser paparicado novamente e, assim, recuperar seu futebol e garantir, de quebra, a titularidade na seleção. O expediente de buscar um clube de aluguel às vésperas do Mundial já não é novidade. Em 2002, por exemplo, o atacante Luizão confirmou que usou o Grêmio como trampolim. Longe dos holofotes no Corinthians após uma grave lesão, ele fez um contrato curto com o Tricolor Gaúcho, voltou a ter sequência de jogos e conseguiu emplacar a convocação. O atacante disse que o negócio foi bom para os dois lados, já que o Grêmio também se reforçou com um atleta de qualidade por um preço bem abaixo do mercado.
Além de Robinho, quem deu a última cartada para disputar o Mundial foi o lateral-esquerdo Roberto Carlos. Esquecido no Fenerbahce, da Turquia, o jogador já se encaminhava para a aposentadoria, mas refez seus planos ao receber um convite tentador do Corinthians. Se conseguir destaque na Libertadores, com a força da imprensa de São Paulo, pode pressionar Dunga a convocá-lo para a Copa, até porque os últimos jogadores testados pelo treinador na posição, Filipe Luís e André Santos, não devem ir ao Mundial. O primeiro, por causa de uma fratura na perna; o segundo, por ter se envolvido em graves problemas extra-campo.
Na grande maioria dos casos, as táticas dos craques que buscam recuperar terreno às vésperas do Mundial não são antiéticas e até beneficiam os clubes nacionais. Há muito tempo, o Brasil não conta com uma armada tão forte de jogadores de destaque disputando os campeonatos estaduais. Essa novidade movimenta os times, acirra a rivalidade saudável e atrai o público aos estádios. Seria perfeito se os clubes conseguissem parceiros que, mesmo distante do Mundial, pudessem bancar os ídolos no País. Certamente, o vínculo entre os torcedores e a seleção seria muito mais estreito.

4 comentários:

TEIA disse...

Olá.
Seu blog tá na TEIA.
Parabéns.
Até.

Salles disse...

Excelente post. Aliás, esse é um dos melhores blogs que conheço.Parabéns!!!

André disse...

Robinho precisa esquecer da noite, e voltar a jogar bola no Santos. Não sei se vai dar certo. Prefiro o Fred.

André disse...

Robinho precisa esquecer da noite, e voltar a jogar bola no Santos. Não sei se vai dar certo. Prefiro o Fred.