quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Números que explicam o futebol

Os números podem explicar os fatos. Com essa definição na cabeça, o pernambucano João Carlos Castello Branco Filho, 50 anos, formado em administração, resolveu dedicar boa parte de seu tempo a partir de 1990 para descobrir o lado bom das contas. Tendo a calculadora sempre por perto e um apurado faro para achar curiosidades, ele passou a anotar informações preciosas em suas agendas e investir na elaboração de rankings que analisam o esporte com impressionante precisão.
"Comecei a fazer anotações sobre as principais competições de futebol do Brasil e do Mundo no início da década de 90. Costumo fazer as contas e guardar os resultados do dia à noite. Faço isso por horas e me animo com os números. Assim, posso buscar explicações lógicas para o mundo da bola e da Fórmula 1, isso apenas para falar de esportes, já que também faço rankings sobre política, economia, entre outros assuntos", contou João, que concluiu o curso de arbitragem em Alagoas no final da década de 80 e ainda pensa em trabalhar diretamente com o futebol. "Tenho uma vida tranqüila, mas, por causa da minha paixão, garanto que largaria tudo para ser treinador de futebol".
João chama atenção neste ano para a impressionante média de gols do Campeonato Alagoano. "São 150 gols em 40 jogos, média de 3,75. Isso é excelente para a competição, já que são os gols que levam os torcedores aos estádios. Além disso, destaco a impressionante média da sétima rodada do Alagoano. Em apenas cinco jogos foram marcados 27 gols. A média é espantosa: 5,4 por jogo. Trabalho com estatísticas há muito tempo, acompanho de perto várias competições e não lembro de ter visto nada igual. Certamente, é um recorde nacional nesta temporada e dificilmente vai ser batido. Para completar, até esta oitava rodada não foi registrado sequer um 0 x 0. Isso é maravilhoso para o campeonato", comentou João.

Historiador exalta a força do Sul

Mas as análises de João Castello Branco são mais abrangentes. Ele tem estatísticas bem interessantes sobre as principais competições nacionais. "Nesses anos todos de pesquisa, cheguei à conclusão de que existe mesmo uma elite de doze clubes no Brasil. Eles estiveram nas finais de 82% de Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil, nossas principais competições. Inclusive, nessa análise, o Sport merece destaque, já que conseguiu dois títulos. Grandes clubes como Atlético-MG e Botafogo têm apenas um. O time pernambucano também tem muito mais representatividade em termos de conquistas do que o Bahia, por exemplo”.
Outro fato curioso é que o Rio Grande do Sul tem uma impressionante força no cenário nacional. "Inter e Grêmio são clubes acostumados a decidir. Entre Brasileiro e Copa do Brasil, eles, e o Juventude, uma vez, participaram de 21 finais. Minas Gerais, outro grande centro do futebol brasileiro, tem apenas 13 decisões. A explicação para essa diferença é que no Sul os três chegaram à decisão dos principais campeonatos do País. Nas Gerais, o Cruzeiro foi a nove, e o Atlético apenas quatro. O Galo deu uma segurada nos números mineiros", explicou João.
Comparando com o Rio de Janeiro, João também enaltece os números gaúchos. No Rio, com cinco times, foram disputadas 26 finais; no Rio Grande, foram 21, com apenas três clubes. Para quem não lembra, além dos quatro grandes cariocas, o Bangu também disputou a decisão do Brasileiro, em 1985, contra o Coritiba.

Polêmica no título de 1987

João Carlos Castello Branco coloca lenha numa polêmica antiga no futebol brasileiro: o Nacional de 1987. Em suas estatísticas, ele considera o Flamengo cinco vezes campeão do Brasileiro, e não seis.
"A questão é simples: o Flamengo sabia das regras do Brasileiro de 87 e as aceitou. No meio da disputa, resolveu voltar atrás. Legalmente, o Sport é o campeão nacional daquele ano, com o Guarani sendo o vice. Além do clube carioca, o Inter também não quis disputar os jogos finais e nem entra nas minhas estatísticas sobre os finalistas da competição. Para encerrar o assunto, basta lembrar que Sport e Guarani disputaram a Taça Libertadores de 1988", analisou.

Ranking de João Carlos
do Brasileirão

1 - São Paulo – 11 finais - 6 títulos e 5 vices
2 - Flamengo – 5 finais – 5 títulos
3 - Corinthians – 7 finais – 4 títulos e 3 vices
4 - Palmeiras – 6 finais - 4 títulos e 2 vices
5 - Vasco - 6 finais – 4 títulos e 2 vices
6 - Inter - 7 finais – 3 títulos e 4 vices

Futebol paulista domina o País

De acordo com o historiador João Carlos Castello Branco, São Paulo tem amplo domínio do futebol brasileiro, com 17 títulos do Nacional. O Nordeste esteve em seis finais, juntando o Brasileirão e a Copa do Brasil, com Sport, Bahia, Vitória e Ceará. Desses, apenas o Sport e o Bahia foram campeões.
“Sobre o Brasileiro, há cinco clubes com números incontestáveis. Os gigantes seguem a ordem. O primeiro é o São Paulo, com onze finais e seis títulos. Depois vem o Flamengo, com cinco títulos em cinco decisões – Não conto 87. Em seguida, aparece o Corinthians, com sete finais e quatro títulos. Ainda podemos destacar Palmeiras, com quatro títulos em seis finais, Vasco, com números iguais aos do Verdão, e o Inter, com três taças e quatro vices. Em alguns casos, menciono finais, mas estou computando também competições por pontos corridos. Assim, valem para as minhas estatísticas os segundos colocados”, explicou.

Curiosidade – João Carlos lembra que de 1971 a 2000 não houve nenhum Campeonato Brasileiro com a mesma fórmula. “Em 2001, começou a disputa por pontos corridos, mas apenas em 2006 o campeonato passou a ter 20 clubes e, de lá pra cá, a fórmula não mudou. Gosto disso porque a competição está nos moldes do futebol europeu, e fica mais justa. Até a análise dos números se torna mais fácil”.
Outro fato interessante é que em 27 finais de Brasileirão estiveram presentes cariocas e ou paulistas. Decisões entre clubes de São Paulo foram oito, e duas só com times do Rio. “Essas foram disputadas em 1984, Fluminense x Vasco, e 1992, Botafogo x Flamengo”, lembrou João.

Figurinhas carimbadas no Brasileirão

Outra curiosidade é que apenas três clubes disputaram todas as 39 edições do Brasileirão: Flamengo, Internacional e Cruzeiro. “Uma informação interessante também é que, desde que começou o campeonato por pontos corridos com 20 clubes, esse de 2010 vai ser o primeiro em que os doze grandes estão na disputa”, emendou o historiador.


Reação do Flu em 2009 foi histórica

No ano passado, o Fluminense chegou a ser desenganado por comentaristas por causa das projeções feitas pelos matemáticos. João Carlos diz que o Tricolor realmente contrariou a matemática para continuar na Série A.
“Eu não imagina que virasse, era um cético. O Fluminense foi até a 31ª rodada em último, tendo apenas duas vitórias e três empates. A partir daí, teve sete vitórias consecutivas, e um empate, contra o Coritiba. O clube saiu da zona do rebaixamento na penúltima rodada. Não lembro de nada tão violento em termos de reação no futebol. O clube realmente desafiou a lógica”, comentou.

Há uma elite na Copa do Brasil

Falando especificamente da Copa do Brasil, João Carlos afirma que há cinco times que merecem destaque. “A elite é formada por Grêmio, que foi a sete finais e ganhou quatro, e Cruzeiro, que chegou a cinco decisões e venceu quatro. Corinthians, com cinco finais, Flamengo, também com cinco, e Fluminense, com três, também merecem destaque”, analisou.

Destaques da Copa do Brasil

1- Grêmio - 7 finais – 4 títulos e 3 vices
2- Cruzeiro – 5 finais – 4 títulos – 1 vice
3- Corinthians -5 finais – 3 títulos -2 vices
4- Flamengo – 5 finais - 2 títulos -3 vices
5- Fluminense – 3 finais - 1 título - 2 vices

Milan é o melhor do mundo

João Carlos Castello Branco levanta outra polêmica. Para ele, por causa dos títulos mundiais, o Milan é o time mais importante do último século, e não o Real. O historiador explica que nas decisões intercontinentais, os finalistas chegam abalizados por títulos nacionais e da Europa ou da América do Sul. Isso dá um grande peso ao maior campeão, no caso, o Rubro-Negro italiano.
“O Milan deve realmente ser mais exaltado do que o Real. Ele foi a oito finais de mundiais, venceu quatro e perdeu quatro. Depois, na sequência, vem Real Madrid, Peñarol, do Uruguai, e Boca Juniors, que conquistaram três taças e perderam duas nas finais. O melhor do Brasil é o São Paulo, que foi à decisão três vezes e trouxe três títulos. Marca igual a do Nacional, do Uruguai”, explicou João Carlos.
Segundo o historiador, Argentina e Brasil são os países que se destacam no Mundial, com nove títulos. “Sendo que os argentinos foram a 20 finais, contra 15 do Brasil. A Itália foi a 13 decisões e ganhou oito”, completou.


Libertadores tem domínio argentino
 
 Sobre a competição sul-americana que iniciou a fase de grupos na semana passada, João Carlos destaca a supremacia da Argentina, que foi a 30 finais e ganhou 22, tendo também o clube que mais vezes levantou o caneco. “Foi o Independiente, com sete títulos. O Brasil foi a 13 finais e ganhou oito. Curiosamente, dos doze clubes que formam a elite do País, apenas três, Corinthians, Botafogo e Atlético-MG, não chegaram à decisão da Libertadores. Os outros todos, pelo menos, bateram na trave”, informou.

Foto: Lula Castello Branco/ O JORNAL-AL

22 comentários:

Zé Paulo disse...

O cara surtou. O Flamengo é hexa, meu filho!! Não sabe nada.

André Fla disse...

O Sport não representa nada no País. Time pequene que quer brigar com o Flamengo por um título nacional. Foram campeões da Segunda Divisão em 1987.

Adriano disse...

Flamengo é o maior campeão do País. Acho graça quando leio alguma coisa sobre o título do Sport. Só falo sobre time grande.

Kléber disse...

Tá tudo certo. O Flamengo roubou um título do Sport com o apoio do Globo. Uma vergonha. Os meios de comunicação decentes têm a obrigação de divulgar a verdade. Parabéns ao blog.

Kléber disse...

Tá tudo certo. O Flamengo roubou um título do Sport com o apoio do Globo. Uma vergonha. Os meios de comunicação decentes têm a obrigação de divulgar a verdade. Parabéns ao blog.

Kléber disse...

Tá tudo certo. O Flamengo roubou um título do Sport com o apoio do Globo. Uma vergonha. Os meios de comunicação decentes têm a obrigação de divulgar a verdade. Parabéns ao blog.

Anderson disse...

PARABÉNS, PELA PESQUISA MUITO BOA,
O SPORT É O GRANDE CAMPEÃO DE 87 E UNS DOS GRANDES DO BRASIL TAMBÉM...

F.G.P. disse...

Bando de flamenguista OTARIO. QUERO ARGUMENTOS CONCRETOS. Vcs nao falam nada com nada, so dizem que o flamengo é campeão, mas so quem nao conhece a verdadeira historia acredita nessa conversa de merda de vcs. Se o Sport era da 2°, como que o guarani, que foi VICE-CAMPEAO em 86 era da 2° tbm? Otarios. Bando de puto. Sport campeao de 87, contra fatos nao há argumentos. O flamengo é maior que a fifa, que a cbf, e que a justiça brasileira pra decidir quem é campeao? acho que nao. Onde ta a taça? Acho que ta na ilha ne? entao calem a boca bando de putos.

João Carlos disse...

sou flamenguista, e digo que nós não merecemos o título de 87. Parabéns Sport pelo título de 87! mas o de 2987 vai ser nosso :D

Thiago disse...

O Cruzeiro manda em Minas Gerais. Os números não mentem. Se o galinho tivesse o restrospecto do guerreiro, o Estado seria o primeiro do ranking.

Zeroooooooooooooooooooooooooo

Belfort disse...

Flamenguista, Rede Bobo, Kfouri, entre outros não possuem argumentos para discutir 1987.

Anônimo disse...

Campeão não se inventa, para ser hexa, é preciso ser PENTA.

87 é nosso,
SPORT ♥

Antônio Freitas disse...

Os numeros são tão crueis com o Gaylo. Tadinho.

Ana Maria disse...

Rachei com os três times que nunca caíram para a Segunda Divisão. O resto....

Zeroooooooooooooooooooooooooo

Ana Maria disse...

Rachei com os três times que nunca caíram para a Segunda Divisão. O resto....

Zeroooooooooooooooooooooooooo

Erik Facção disse...

Flamenguista, Rede Bobo, Kfouri, entre outros não possuem argumentos para discutir 1987.

Mário Gomes disse...

Parabens pela excelente matéria... o Sport com certeza é o campeão de 1987!!!!

Um forte abraço

Anônimo disse...

Esse careca ai é o cara!!!

PST!!!

André disse...

Meu Fluzão é moral mesmo. Não existiu na história do futebol nadfa igual à virada do ano passado.

Anônimo disse...

Sport rumo ao Bi em 2010!!! Basta vencer a segundona e requerer o direito a uma final com o Campeão da primeira divisão em 2010... Sport, para conseguir ser grande primeiro precisa ganhar campeonatos jogando contra os grandes, por isso, recolha-se a sua insignificancia. Sem mais.

Admirador disse...

o Santos já foi rebaixado no Brasileiro? No Paulista??

Quando???

Historiador furado!!!

João Carlos Castello Branco Filho disse...

De fato, procede o comentário referente ao SANTOS... Santos e São Paulo são os times paulistas que nunca foram à Segundona!! A estatística do Paulista não estava nos dados coletados na matéria da segundona!

Atc,

João Carlos Castello Branco Filho

21 de fevereiro de 2010 18:13