sábado, 6 de fevereiro de 2010

Um convite à leitura

As páginas correm diante de um olhar atento. As linhas ensinam histórias sobre o nosso e outros tempos e ainda podem transportar o homem para um mundo tão mágico quanto irreal. A fuga do cotidiano cansativo tem como portal uma coleção de palavras que já tem mais de seis mil anos e é conhecida pelo simples nome de livro.
Sem a exigência das provas, as histórias ganham vida na imaginação das crianças e, quando se tornam hábito, têm a incrível capacidade de revolucionar as ideias. Não há dúvidas de que será mais preparado para os desafios impostos pela sociedade quem teve a sorte de buscar conhecimentos na literatura. Por mais simples que seja o tema, ninguém fecha a última página de um livro da mesma forma que leu a primeira.
Hoje, com as facilidades da tecnologia, bibliotecas estão abertas on-line. A Internet, que abrevia distâncias, também tem uma impressionante capacidade de difundir as ideias literárias. A leitura está em toda parte da sua vasta rede e ostenta o seu enorme poder transformador.
Mas, talvez pela falta de hábito e exemplos, a maioria dos jovens brasileiros considera os livros velhos e conservadores; almas inquietas e apressadas. Talvez não saibam do poder conferido a quem tenta decifrar os enigmas da vida a partir da junção simples de frases. Talvez busquem a simplicidade de uma escrita pobre para ganhar tempo e não marcar compromisso com a sua língua pátria. Assim, diante de tantas peças preciosas, a escolha feita pela massa é a imagem, e não o sentido.
Ainda há tempo de entregar à leitura novos seguidores, principalmente crianças. Se os pais pensam em construir um futuro cidadão para os seus filhos, não podem recusar o convite feito pelos escritores. Eles conhecem como poucos os atalhos para o encantamento e a sabedoria, poções mágicas que ajudam a formar uma sociedade forte, crítica e, acima de tudo, consciente.

2 comentários:

Pedro Antônio disse...

Nada como a boa leitura. Quem dera as pessoas pudessem se perder entre os livros para transformarem o mundo.

Adriano Paiva disse...

O texto é espetacular. Parabéns, Victor, colocando um pouco de cultura nessas pobres almas que dormem e acordam pensando em futebol.