sábado, 1 de maio de 2010

Dunga está sendo injustiçado pela imprensa

Estamos a 41 dias da Copa e fico impressionado com a campanha feita por parte da imprensa para desestabilizar o treinador Dunga. No início, fui radicalmente contra sua chegada ao comando técnico da seleção. Como a maioria dos torcedores e jornalistas, o achava verde demais para ocupar um cargo tão importante. Errei.
O técnico aprendeu rapidamente a mexer na equipe, teve papel fundamental na escolha de sua "família" e ontem foi premiado com o retorno da seleção ao primeiro lugar no Ranking da Fifa. Às vésperas do Mundial, o Brasil continua sendo o país a ser batido. O time conquistou, com extrema facilidade, o primeiro lugar nas eliminatórias e levantou as taças das Copas América e das Confederações.
Até o final do ano passado, a torcida vivia um caso de amor com a seleção. O time venceu até Argentina e Uruguai no campo inimigo e colecionou resultados expressivos contra equipes de alto nível, como Itália e Portugal, por exemplo.
Neste ano, a campanha pela presença de Ronaldinho Gaúcho no Mundial agitou os primeiros meses. O armador do Milan voltou a jogar bem e voltou à pauta. Seria uma boa opção, principalmente porque Kaká está às voltas com uma lesão na região pubiana e pouco jogou pelo Real Madrid. Mas, nas entrelinhas, Dunga deu a entender que deu muitas chances ao craque do time italiano e, provavelmente por mau comportamento, ele não deve ser chamado. Passada a euforia em relação a Ronaldinho, a imprensa resolveu iniciar uma campanha feroz para colocar Neymar e Paulo Henrique Ganso, ambos do Santos, no Mundial. A pressão veio de todos os lados e o treinador anda irritado.
Dunga pode querer levá-los pelo excelente momento que vivem, mas é bom advertir os mais apressados que é preciso fazer testes para chamar jogadores para a Copa. Muito se fala em Pelé e Ronaldo, mas eles foram bem avaliados por Vicente Feola e Parreira antes de serem convocados.
Se resolver levar as promessas, Dunga vai fazer uma aposta, mas, se não chamá-las, o mundo não pode cair sobre sua cabeça. Houve critério na escolha dos nomes que compõem a seleção. Concordo com uns, discordo de outros, mas não se pode jogar um trabalho sério de quatro anos fora na véspera da competição mais importante do mundo.
Pelo retrospecto, Dunga e Jorginho merecem respeito. Alardear que a seleção poderia ser trocada por todo o time do Santos soa apenas como bairrismo. O time tem esquema tático, opções para mudanças no decorrer das partidas e um padrão de jogo. Por tudo isso, o treinador não pode ser alvo de tantas críticas injustas. Se ele perder o Mundial, como já é de praxe, as reclamações podem até ser estampadas no Diário Oficial. Se não, os apressados vão ter que pedir, outra vez, desculpas no capitão do tetra.

Portugal
- Dois jogadores fundamentais para a seleção se destacaram no final de semana. Kaká voltou aos campos marcando um gol pelo Real Madrid e Luís Fabiano viu o Sevilla perder para o Getafe, mas deixou sua marca duas vezes na rede.

Barraco
- No último sábado, o técnico Dunga chamou a polícia para tirar humoristas da porta de sua casa, em Porto Alegre. Os integrantes do programa Legendários, da Record, faziam uma campanha para que o treinador chamasse Neymar para o Mundial. O caso, com razão, foi parar na delegacia.

Convocação - O treinador da seleção vai convocar os 23 jogadores para o Mundial no dia 11 de maio. Além disso, ele deixará sete jogadores de sobreaviso caso haja algum problema com um dos atletas do grupo. A Fifa divulgará as inscrições para a Copa no dia 4 de junho, sete dias antes da competição na África.

Um comentário:

André Franco disse...

Comentário muito lúcido. Parabéns ao jornalista!