quinta-feira, 10 de junho de 2010

Pepe volta a jogar

O alagoano Pepe se livrou da afiada tesoura do corte. Após a séria lesão que sofreu no final do ano passado, quando atuava pelo Real Madrid, ele fez um grande esforço para estar na Copa. Naturalizado português, o zagueiro era titular absoluto da seleção de Carlos Queiroz, mas agora vai precisar reconquistar seu espaço.
Clinicamente curado, ele trabalha agora para recuperar sua condição física, imprescindível para o seu futebol, e para ganhar confiança. Terça-feira, Portugal venceu Moçambique por 3 x 0 e Pepe entrou em campo a partir dos 31 minutos do segundo tempo.
“Foram quase seis meses de trabalho, de superação, de força mental. Mas foi bom, valeu a pena poder jogar 15 minutos pela seleção. Poder estar com os companheiros, regressar numa competição que vai ser muito importante pra mim. Espero que agora as coisas possam correr bem e que Portugal faça um bom Mundial também”, declarou o jogador após a partida.
Além de Pepe, a seleção portuguesa conta com dois brasileiros naturalizados: Deco e Liedson. O time deles encara o Brasil no próximo dia 25, às 11h, pela terceira rodada do Mundial.

Fúria espanhola - A Espanha continua demonstrando força. Terça-feira, o time se despediu de sua torcida, em Murcia, goleando a Polônia por 6 x 0. O destaque da Fúria é a qualidade de seu meio-campo. Xavi, Xabi Alonso, Busquets ou Fabregas e Iniesta fecham muito bem os espaços dos adversários e, com excelente toque de bola, chegam com gosto ao ataque. Nesta terça, recuperado de lesão, o atacante Fernando Torres voltou ao time.

Precaução - O meio-campista Iniesta deixou o gramado na última terça-feira se queixando de dores na coxa. O Departamento Médico da Espanha garantiu que a substituição foi apenas por precaução, mas existe até a possibilidade de o jogador não disputar a primeira rodada da Copa. Os espanhóis estão no Grupo H, ao lado de Honduras, Chile e Suíça.

Dá-lhe Parreira! - O técnico Carlos Alberto Parreira aumentou as esperanças dos torcedores da África do Sul. Após sua chegada, os anfitriões da Copa disputaram 12 partidas e não perderam nenhuma. Foram seis vitórias e seis empates. A África está no Grupo A e pega México, França e Uruguai na primeira fase.

Robinho - Alguns jogadores do time titular da seleção estão em condições piores do que as apresentadas na Copa das Confederações do ano passado. Esse não é o caso de Robinho. O atacante está solto, confiante e nos treinos e amistosos começa a deixar o papel de coadjuvante. No histórico da seleção de Dunga, ele divide a artilharia com Luís Fabiano: agora, ambos têm 19 gols.

Pênaltis na Copa - O pênalti é fundamental para a definição dos Mundiais. Invariavelmente, um campeão precisa decidir uma vaga na cobrança nesses tiros livres da grande área. Na história das Copas, a decisão por pênaltis foi introduzida em 1982 e, até agora, foi disputada 20 vezes. A mais emocionante de todas foi, sem dúvida, a decisão do Mundial de 1994. Melhor para o Brasil.

Paredão - Por falar em pênaltis, nesse tipo de decisão, os torcedores apelam para o anjo da guarda dos goleiros. Hoje, temos um atleta inquestionável guardando a meta da seleção. Após conquistar o título da Liga dos Campeões, Julio César entra no Mundial como um dos melhores, senão o melhor, da posição. Torçamos para que sua lesão na região lombar não limite seus movimentos durante a competição.

Um comentário:

jane disse...

Victor, fiquei muito triste com matéria que li sobre este jogador alagoano (Pepe) que, pelo que pude entender, nega suas origens. Na matéria, o repórter diz"Vc é brasileiro, não desiste nunca"... irritado, ele deixou o local. Se sua atitude foi realmente de negação às suas origens, tenho pena dele. Não se tira da gente as raízes, por mais famoso e por mais que se conquiste o mundo. Pena.