terça-feira, 15 de junho de 2010

Seleção estreia na Copa contra a Coreia do Norte

Como o próprio técnico Dunga já admitiu, tudo o que foi feito até agora nessa trajetória de quase quatro anos, tanto as vitórias quanto as derrotas, ficou para trás. O que realmente importa é o que vai acontecer na Copa do Mundo na África do Sul. E a estreia do Brasil será nesta terça-feira contra a desconhecida Coreia do Norte, a partir das 15h30 (horário de Brasília), no estádio Ellis Park, em Johannesburgo. É o início da caminhada brasileira rumo ao hexacampeonato.
"Futebol não tem futuro e nem passado. Tem presente", avaliou Dunga, consciente de que seu trabalho será medido pelo resultado da Copa. Até agora, a trajetória dele na seleção brasileira é vitoriosa: conquistou os títulos da Copa América (2007) e da Copa das Confederações (2009), além de ter terminado as Eliminatórias com folga na liderança. Com tudo isso, o Brasil desembarcou confiante na África do Sul, como um dos maiores favoritos.
"O trabalho que o Dunga tem feito é inquestionável. As coisas têm caminhado bem até agora", elogiou o volante Gilberto Silva, que esteve nas duas últimas edições da Copa e é um dos mais experientes da seleção brasileira. "Nós tivemos uma boa preparação. Agora é entrar em campo e ser o Brasil. É isso que precisamos fazer", avisou o meia Kaká, o principal jogador do grupo de 23 convocados para a disputa do Mundial na África do Sul.
Os jogadores adotaram a filosofia implantada por Dunga na seleção, pela qual o coletivo supera qualquer individualidade. O treinador também exige concentração, dedicação e comprometimento no trabalho, o que os 23 convocados têm mostrado até agora. Até mesmo o discurso deles é parecido, sempre enaltecendo o conjunto e a união. "Não é fácil ganhar a Copa, mas confio muito nesse grupo", revelou o atacante Luís Fabiano.

DESCONHECIDO - Além da ansiedade natural da estreia, o Brasil terá outro desafio nesta terça: enfrentar um rival sem nenhuma tradição no futebol mundial, que entrará em campo sem qualquer responsabilidade de vitória. A Coreia do Norte ocupa apenas a 105.ª posição no ranking de seleções da Fifa, numa lista liderada pelos próprios brasileiros. Mas espera surpreender os favoritos no Ellis Park, o que deixa Dunga em alerta.
Preocupado com a zebra, Dunga prega respeito ao adversário. Segundo ele, a Coreia do Norte é um time "compacto, que se fecha atrás e sai em velocidade". Nesse cenário, o Brasil promete utilizar uma de suas principais armas: a bola parada, que foi insistentemente treinada durante os 25 dias da preparação brasileira para a Copa. "Acho que a jogada de bola parada pode decidir a partida", admitiu o meia Elano, o cobrador oficial de faltas e escanteios.
Independente do adversário, a seleção brasileira promete manter seu estilo e impor seu ritmo durante a disputa da Copa. Dunga vai manter a base do time titular, que já vem jogando junta há algum tempo. Assim, acredita que pode passar pela Coreia do Norte e pelos outros dois adversários do Grupo G, Costa do Marfim e Portugal, na luta para chegar ao hexa. "Peço ao povo para ter confiança e torcer pela gente", afirmou Luís Fabiano.

Brasil - Julio Cesar; Maicon, Lúcio, Juan e Michel Bastos; Gilberto Silva, Felipe Melo, Elano e Kaká; Robinho e Luís Fabiano. Técnico: Dunga.

Coreia do Norte - Myong Guk Ri; Pak Chol Jin, Jun Il Ri e Kwang Chon Ri; Jong Hyok Cha, Sung Hyok Pak, Yong Jun Kim, Song Chol Nam, In Guk Mun e Yong Jo Hong; Tae Se Jong. Técnico: Jong Hun Kim.

Nenhum comentário: