quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Vettel trouxe justiça à F-1

Vettel (centro) arrancou na reta final e conquistou o título
A conquista de Sebastian Vettel premiou o esporte. O alemão andou trocando os pés pelas mãos no Mundial de Fórmula 1, perdeu corridas que pareciam ganhas, mas dirigiu um carro livre do jogo de equipe. Ele sempre foi o favorito da Red Bull. Até sua juventude e o espírito aventureiro combinavam com o que a marca tenta vender no mercado. Mark Webber chegou para ser segundo piloto, liderou o Mundial algumas vezes, mas travou duelos disputadíssimos com o companheiro porque o time não quis tomar partido. Assim, ambos chegaram à última corrida com chances de título e ainda levaram o Mundial de Construtores.
Vettel foi campeão porque fez duas corridas perfeitas no momento decisivo do campeonato. Foi impecável no Brasil e nos Emirados Árabes e ainda contou com a sorte. A justiça também pegou carona na sua RBR. Alonso é um piloto brilhante, mas costuma passar por cima dos adversários para atingir seus objetivos. Neste ano, ele, a Ferrari e o brasileiro Felipe Massa jogaram sujo na Hungria e mereceram a derrota no fim do campeonato. Alonso ainda teve atitudes anti-desportivas no final da prova de Abu Dhabi, xingando e fazendo gestos para Petrov, que não o deixou passar. Mimado, o bicampeão do mundo precisa amadurecer. Suas artimanhas nos bastidores podem colocá-lo na história da Fórmula 1 simplesmente como um Dick Vigarista e não como um Príncipe das Astúrias, como gosta de ser chamado. Ainda há tempo para a conversão, apesar de ela não ser muito fácil.

Nenhum comentário: