terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Robertão tem o mesmo peso do Brasileiro

Os campeões brasileiros de 1970
Uma grande polêmica foi estabelecida com a conquista do título do Fluminense no último domingo. O clube exibiu em suas faixas oficiais o tricampeonato – 70,84 e 2010. A questão é simples: o Tricolor e outros clubes nacionais tentam na CBF a homologação dos títulos brasileiros anteriores a 1971. O Flu, particularmente, luta pelo reconhecimento do Robertão, competição que envolvia os melhores times do País no final década de 60 e início da de 70. Além do Fluminense, o Palmeiras e o Santos travam a mesma batalha. Pelos moldes da disputa no Roberto Gomes Pedrosa, o reconhecimento da imprensa da época e a importância da competição, os clubes têm razão em dar àqueles títulos o mesmo valor do Brasileirão.

Taça Brasil - Outros clubes também pleiteiam na CBF o reconhecimento da Taça Brasil como Brasileirão. Nesse caso, pelo formato da disputa, não há muitas semelhanças. Considero que a competição disputada nas décadas de 50 e 60 tinha um peso parecido com o da atual Copa do Brasil.

Reforços - O técnico Muricy Ramalho pediu à diretoria do Fluminense mais um goleiro, um zagueiro, um meia e dois atacantes. O primeiro reforço do Tricolor deve ser mesmo Richarlyson, que já se despediu do São Paulo. Para o gol, o primeiro nome é o de Diego Cavalieri, atualmente no Cesana, da Itália, e, para a meia, Wesley, do Prudente, está bem cotado.

6 comentários:

Anônimo disse...

Victor, não importa a semelhança entre a Taça Brasil e o atual Campeoanto Brasileiro. O que inetessa é o objetivo: tanto a Taça brasil, como o atual Campeonato Brasileiro, têm como objetivo definir o melhor time brasileiro da temporada, o "campeão brasileiro".
O formato pouco importa. As primeiras Copas do Mundo se pareceriam com quê? Um torneio e várzea? Não importa. Definiram os campeões mundiais. O mesmo acontece com a taça Brasil. Ou alguém acha que outra competição não premiaria o Santos de Pelé ou o Palmeiras de Ademir da Guia como os melhores times do Brasil dos anos 60?

Victor Mélo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Victor Mélo disse...

O comentário do leitor é o centro de toda a polêmica. A Taça Brasil foi realmente o campeonato mais importante do País entre as décadas de 50 e 60, tanto que colocava o campeão na Libertadores. Não tiro, de forma alguma, o seu imenso valor, apenas faço restrições em relação à comparação com o Brasileirão. Houve disputas com apenas quatro jogos, por exemplo. Numa outra oportunidade, o Palmeiras conquistou a Taça Brasil e o Robertão, sendo que este já era bem mais parecido com o Brasileiro. É uma questão de visões particulares, mas, respeitando todas as opiniões divergentes, mantenho a minha posição.

Um abraço

Daniel Calixto disse...

O Robertão foi melhor do que muito Campeonato Brasileiro que está na conta da CBF. O Flu campeão de 70 venceu o Santos de Pelé, o Botafogo de Jairzinho, Cruzeiro de Tostão, o Corinthians de Rivellino e o Palmeiras de Ademir da Guia. Esse foi o campeonato mais difícil da história. O detalhe é que, em 70, a melhor seleção de todos os tempos tinha todos os seus jogadores atuando no País. O time do Fluminense fez história e tem que ser reconhecido. O Palmeiras e o Santos também devem ser considerados campeões brasileiros por tere levado o Robertão.

Hernanes disse...

Só quem acha que o Brasileiro começou em 71 é a CBF e torcedor iludido do Atlético.

Anônimo disse...

Isso de formato de competição é a maior bobagem que existe. Se é assim, Campeonatos Brasileiros só seriam válidos a partir de 2003. A Taça Brasil é campeonato brasileiro sim, pois era a principal competição da época e premiava a melhor equipe do país. Há alguns que reclamam dos poucos jogos. Mas fazer o quê? Houve campeonatos paulistas ganhos pelo SCCP com 4 jogos, Libertadores ganhas pelo Santos com o mesmo número de partidas, Copas ganhas pela Itália e pelo Uruguai também. E valem menos por causa disso? Os tricolores que defendem a validade apenas do Robertão apenas querem ver somente o seu time ganhar mais títulos, não diferem muito dos corintianos e dos são-paulinos que não reconhecem nenhuma das 2 competições.