terça-feira, 8 de março de 2011

Confederação planeja criar a Série E do Brasileiro

Vice de futebol do CSA aprova a ideia da criação da Série E
O futebol brasileiro deve passar por mudanças radicais. O racha no Clube dos 13 e a batalha entre as TVs pode até mudar a fórmula de disputa do campeonato da Série A, já que a Globo vai defender a volta dos mata-matas se vencer a concorrência pelo Nacional. Mas as novidades não vão atingir apenas as principais divisões do País.
No último dia 13 de fevereiro, o diretor-técnico da CBF, Virgílio Elísio, confirmou em entrevista ao canal Sportv que está estudando a possibilidade de a confederação criar a partir de 2012 a Série E, que equivaleria à Quinta Divisão do Brasileiro.
Se a ideia for aprovada, a Série D terá apenas 20 clubes, os 16 melhores deste ano e os quatro rebaixados da Terceira Divisão, e a Série E vai contemplar a maioria dos times que hoje disputam a D. A novidade ganha importância em Alagoas, já que um representante do Estado hoje tem vaga garantida na Série D. No ano passado, o CSA disputou a competição, se destacou na primeira fase, mas foi eliminado no mata-mata pelo Sampaio Correa.
"Oficialmente, a Federação Alagoana de Futebol não recebeu nenhum comunicado da CBF sobre a criação da Série E. Se ela realmente sair do papel, vejo de duas formas: hoje, os clubes não têm recursos nem para participar da Série C, mas, por outro lado, é uma maneira de mantermos mais clubes em atividade. A situação do futebol do Nordeste é mesmo complicada. Nesse momento, a viabilização de uma competição como essa vai passar pela capacidade de organização dos clubes", comentou o presidente da Federação, Gustavo Feijó.
Vice de futebol do CSA, Cícero Eugênio acha a ideia da CBF interessante. "Os clubes precisam de um calendário para programarem a temporada. Por isso, a criação da Série E manteria mais times em atividade e ajudaria na negociação com novos patrocinadores. Aprovo a iniciativa", comentou.
O diretor de futebol do CRB, Ednilton Lins, disse que a Série E fortaleceria as outras divisões. "A Série C, por exemplo, se tornaria uma elite do futebol nacional, o que seria muito bom para o nosso clube. Sou favorável, sim", declarou. 

Corinthians-AL pede ajuda da CBF

O presidente do Corinthians-AL, Eurico Beltrão, disse que a Série E só vai ser viável se a CBF oferecer vantagens aos clubes. "Se a Confederação lançar a competição e não ajudar em nada, realmente vai ficar difícil. Com parte das despesas bancada, acho até interessante para preencher o calendário. Hoje, o Corinthians está discutindo, por exemplo, a viabilidade da nossa participação na Série D. Se ficarmos com a vaga de Alagoas, vamos entrar na competição apenas se fecharmos com patrocinadores. Se não tivermos esses recursos, a situação vai ficar complicada", comentou o dirigente.
Líder do Campeonato Alagoano, o Corinthians ainda está aberto a negociações. Para fazer caixa, o clube não descarta fazer negócios nem mesmo na reta final da competição. "Temos obrigações para manter o clube e precisamos analisar as propostas do mercado. A janela de transferência do futebol asiático fecha no dia 20 de março e ainda podemos negociar alguns de nossos atletas (o atacante Afonso já saiu). Para o time não cair de produção, estamos apostando na qualidade do nosso elenco. O título é importante, mas é fundamental para o Corinthians ter dinheiro em caixa para honrar os compromissos. É preciso ter responsabilidade para administrar hoje um clube de futebol. Por isso, precisamos conhecer a proposta da CBF sobre a Série E para avaliar sua viabilidade", completou.

Assessor do Murici diz que só a TV chama patrocinadores

Murici ainda não participou de nenhum Brasileiro
Assessor de imprensa do Murici, Jailson Colácio disse que os clubes precisam avaliar os prós e os contras de disputarem a Série E. “É preciso saber se vale a pena investir na formação de um elenco para participar da Quinta Divisão, mas também precisamos observar se haverá punição para quem não quiser disputá-la. No ano passado, por exemplo, o Murici teve que enviar uma série de documentos para explicar que tivemos sérios prejuízos com a enchente e cedemos nossa vaga ao CSA”, declarou Jailson. “Hoje, o que chama patrocinador é a TV. Por isso, o ASA leva grande vantagem em relação aos seus adversários no futebol alagoano. Por causa da projeção da Série B, todo mundo quer jogar em Arapiraca. Nesse ano, nosso objetivo é buscar o bicampeonato e participar da Série D, mas não é fácil convencer, por exemplo, um centroavante de alto nível de fechar contrato conosco. Hoje você contrata o atleta pelo pagamento em dia, o que nos favorece, e pela projeção que ele terá no Estadual e no Campeonato Nacional. Na Série E, essa visibilidade seria muito pequena”, avaliou.



Crédito das fotos: Ailton Cruz

Nenhum comentário: