sexta-feira, 1 de abril de 2011

Copa 2014 em foco

A semana esportiva começou com os “uivos” do presidente da Fifa, Joseph Blatter, por causa da Copa de 2014. O dirigente criticou o Brasil por não ter iniciado as obras fundamentais para o bom andamento do Mundial. Ele lembrou, inclusive, que a tão criticada África do Sul, no mesmo período, estava muito mais avançada.
Terça-feira, o ministro dos Esportes, Orlando Silva, rebateu as críticas de Blatter, afirmando que o cronograma está atrasado, mas que, se 70% das obras de infraestrutura começarem neste ano, os prazos estabelecidos inicialmente vão ser cumpridos sem grandes dificuldades.
O ponto nevrálgico da questão é justamente a falta de projetos das cidades-sede durante o período de candidatura do Mundial. Sem concorrentes, o Brasil não precisou se esforçar tanto para garantir a Copa. Além disso, muito tempo foi perdido com problemas menores, mais ligados à política. A exclusão do Morumbi da lista de estádios do Mundial dificultou os planos de São Paulo e, até agora, o estádio do Corinthians nem começou a sair do papel. Faltando três anos para a Copa, não vai ser fácil terminá-lo.
Os aeroportos também causam calafrios nos cartolas da Fifa. Dos 13 que vão ser utilizados no Mundial, oito só vão ser reformados em 2012. O ministro disse que a criação da Secretaria de Aviação Civil deve ajudar a diminuir as dificuldades nesse sentido, mas também cobra das cidades mais agilidade nas obras prometidas.
Infelizmente, Pelé estava certo quando, no final do ano passado, disse estar preocupado com o Mundial no Brasil. O rei teme que o evento mostre todas as fragilidades do País nos quesitos planejamento e execução.

BH em primeiro lugar - Belo Horizonte está à frente das demais capitais no que diz respeito às obras para a Copa do Mundo. A reforma do Mineirão, orçada (incluindo a esplanada) em R$ 743,4 milhões está avançada e, quando terminada, deixará o estádio com a capacidade de 69 mil pessoas. Hoje, BH está em primeiro lugar na disputa para sediar a abertura do Mundial de 2014.

Natal - O Estádio Dunas, de Natal, esteve ameaçado, mas vai sair da maquete. A construtora OAS ganhou a licitação no dia 11 de março e vai tocar as obras, orçadas em R$ 400 mil. As novidades da arena vão ser as arquibancadas flexíveis, que permitirão remover parte dos 45 mil assentos do estádio.

O problema de SP - O projeto do Estádio Arena Corinthians foi aprovado no ano passado e será tocado pela Construtora Odebrecht. O problema é que as obras ainda não começaram e nem mesmo o custo foi definido. O valor da obra está orçado entre R$ 335 milhões e R$ 600 milhões. A demora da Fifa em vetar o Morumbi, maior estádio de São Paulo, atrapalhou a preparação da praça esportiva da maior cidade do País para a Copa.

Maracanã - Apesar de a obra no Maracanã ter sofrido com alguns entraves burocráticos, a reforma está obedecendo ao cronograma. O estádio mais famoso do Brasil terá sua capacidade reduzida para 76 mil lugares, e as obras compreendem a reconstrução da arquibancada inferior, geometria oval (para melhorar curva de visibilidade), 108 camarotes e acesso por rampa monumental. O comprometimento da estrutura aumentou o custo da obra em cerca de R$ 400 milhões. Palco da final do Mundial, a reforma vai custar R$ 1,1 bilhão, e está sendo tocada pelas construtoras Andrade Gutierrez, Odebrecht e Delta.

O elefante branco - A Arena Amazônia é uma séria candidata a virar um elefante branco. Sem times de grande tradição em Manaus, o estádio suntuoso que está sendo construído vai enfrentar sérias dificuldades de manutenção após o Mundial. A nova arena vai substituir o Vivaldão, que está sendo demolido, e terá capacidade para 44.310 pessoas.

Pernambuco - A Arena Pernambuco está sendo construída na cidade de São Lourenço da Mata, a 19 km do Recife. Várias obras estão sendo feitas ao redor da Arena, como metrô, e o centro esportivo vai ser uma das atrações do Mundial. A Arena Pernambuco terá 46 mil lugares e estacionamento para seis mil carros, com orçamento fechado em R$ 464 milhões. Atualmente, as obras estão na fase de terraplanagem e fundações.

Nenhum comentário: