sexta-feira, 27 de maio de 2011

GP de Mônaco em foco

O Grande Prêmio de Mônaco pode ser analisado de duas formas. O lado romântico nos remete aos primórdios da F-1. A corrida já fazia parte do calendário em 1950, quando o lendário argentino Juan Manuel Fangio conquistou a primeira vitória do circo no Principado. A década de 80 também deixou marcas no circuito de rua. É impossível assistir ao GP sem lembrar das conquistas épicas de Ayrton Senna. Um triunfo, no entanto, não precisa ser uma vitória. Em 1984, pilotando uma frágil Toleman, o brasileiro teve apenas a chuva como assistente para ultrapassar os pilotos mais famosos da temporada e terminar a disputa no segundo posto. Nesse dia, a direção da prova foi pressionada pelo líder Alain Prost para encerrar a corrida antes do tempo. O detalhe é que Senna precisava apenas de mais alguns metros para ultrapassar o francês. Ali, nascia a lenda do tricampeão, que disputou um pega fantástico com Mansell em sua vitória de 1992 (veja o vídeo abaixo) e até hoje foi o maior vencedor da corrida: com seis triunfos.
Nos tempos de Senna, o ponto de ultrapassagem da corrida era na saída do túnel, na freada da chicane. Depois, as disputas ficaram restritas aos boxes, e a prova perdeu em emoção.
Esse é o lado ruim do GP. A prova de Mônaco passou muitos anos sendo decidida nos pit stops ou nos treinos de classificação. A regra só era quebrada quando a chuva transformava a corrida numa loteria arriscada. Nesta temporada, a curiosidade em relação ao uso da asa traseira móvel em Monte Carlo é um interessante ingrediente. É provável que o dispositivo não faça a diferença, como aconteceu na Austrália e na Espanha, mas não custa alimentarmos a esperança de assistirmos grandes pegas na pista. Talvez o Kers, por causa das várias saídas de curva, pode fazer a diferença para o piloto que saiba acioná-lo no momento certo. A famosa corrida está marcada para domingo, às 9h (de Brasília). Aguardemos agora o sinal verde.

Favorito - A Red Bull venceu no ano passado em Mônaco, com o australiano Mark Webber, e entra na corrida deste ano com o favoritismo no cockpit. Se fosse para apostar num vencedor, indicaria o líder Sebastian Vettel, que ganhou quatro das cinco provas disputas na temporada, é bom de treino e conta com uma equipe afinadíssima na hora dos pits. O alemão precisa apenas manter a concentração na corrida. No Principado, um descuido pode significar pancada no muro.

Um comentário:

Tábata Sanches disse...

Gostei muito do seu blog!
ótimo final de semana!