quinta-feira, 5 de maio de 2011

Soberba e medo ditam o ritmo do vexame brasileiro

D´Alessandro sucumbiu junto com o Inter na Libertadores
Os brasileiros foram eliminados em bloco da Libertadores por causa de sentimentos pouco nobres. A soberba vestiu a camisa de Inter e Cruzeiro e fez estragos em times marcados por excelentes campanhas na primeira fase. O Fluminense foi destruído pelo excesso de cautela contra um time mediano, sem torcida, no Paraguai.
Dos quatro, o único que caiu simplesmente porque foi inferior ao adversário foi o Grêmio. Muito desfalcado nas duas partidas contra o Universidad Católica, perdeu duas vezes e comemorou o fato de ter morrido abraçado com os outros três.
O Colorado, inclusive, foi assombrado pelo fantasma do Mazembe em Porto Alegre. Depois de abrir o placar contra o Peñarol no primeiro minuto, houve, sem dúvida, um relaxamento na equipe. A marcação afrouxou e a soberba passou a ditar regras no Beira-Rio. Eis que, em cinco minutos, o time uruguaio virou a partida na etapa final e libertou o monstro do Mundial. Assustados, os jogadores do Inter passaram a errar passes e até  brigar entre si. Sem poder de fogo, o Colorado deixou sua torcida vermelha de vergonha e foi eliminado com uma derrota por 2 x 1.

Flu pediu para ser goleado
Guerreiros do Flu foram presas fáceis para o Libertad
No Paraguai, o Fluminense adotou a estratégia errada. Os últimos jogos da equipe mostraram que o Tricolor é uma presa fácil para os adversários quando recua demais. Foi assim com o Rezende, o Flamengo, o Argentino Juniors e o próprio Libertad, no Rio. Esse fenômeno acontece porque a defesa do Flu é frágil como uma donzela - principalmente no lado do zagueiro Gum -, os volantes dão muito espaço aos arrematadores adversários e o goleiro Ricardo Berna é apenas mediano. O prazo de validade dele venceu já na primeira fase da Libertadores. Fraco na bola aérea, ontem, ele falhou feio até embaixo das traves, sua especialidade.
Grêmio perdeu duas vezes para o Universidad
O interino Enderson Moreira não corrigiu um grave defeito da equipe. Quando atacado, o Flu tem dificuldades para evoluir no contra-ataque. Em determinados momentos, o fraco Gum sai com a bola no pé e sua alternativa é o chutão. Na frente, as torres gêmeas Fred e Rafael Moura brigam de cabeça com os zagueiros e perdem mais do que ganham. Com um buraco entre o meio e o ataque, o Tricolor fica inofensivo. Quando pressiona em bloco, com as subidas dos laterais e as chegadas de Conca e Marquinho, as chances são criadas, mas, para isso, as linhas precisam ser adiantadas. No Paraguai, o Flu jogou para perder de pouco e foi incompetente. Berna tomou um frango no segundo tempo e, aos 40´, o Libertad fez o gol da classificação. Depois, com o Flu desorganizado e já entregue, os paraguaios marcaram o terceiro e desclassificaram o campeão brasileiro.

Eliminação do Cruzeiro foi a mais surpreendente
Time de melhor campanha, Cruzeiro caiu em casa
O Cruzeiro foi vítima de sua excelente fase. Depois de vencer o Once Caldas fora de casa, por 2 x 1, nenhum crítico teve coragem de não apontar o clube como fraco-favorito no duelo. Com três vitórias em Minas na fase de classificação, bastava a Raposa controlar o jogo para sair com a vaga. Deu tudo errado. Desatenta, a equipe deu muitos espaços ao adversário e, após entrada por trás, Roger foi expulso. A saída do armador aumentou as dificuldades do Cruzeiro, que ficou acéfalo até o fim da partida. O Once marcou dois gols na etapa final e deixou os mineiros desesperados. Sem poder de reação, a Raposa foi derrotada por 2 x 0 e deixou no meio do caminho o tal favoritismo e a esperada classificação.

Santos ainda está vivo

 O Santos teve as mesmas dificuldades do Fluminense fora de casa, armou uma retranca parecida, mas foi salvo pelo goleiro Rafael e pela incompetência do ataque do América do México. Com um 0 x 0 sofrido, o Peixe foi o único brasileiro a sobreviver na Libertadores. A sorte da equipe de Muricy foi ter jogado na terça. Se tivesse atuado na quarta-feira negra, poderia ter saído de campo com a mesma vergonha dos outros clubes brasileros na competição internacional. Agora, com um pé atrás, o Santos  se prepara para o duelo com o Once Caldas pelas quartas de final.

Crédito das fotos: Lancenet

Um comentário:

Josiane disse...

parabens pela colocação. Muito bom o texto e muito bem feita a análise. É verdade que, o clima de já ganhou, que muitos acreditam, derrubam favoritos e mostram que, humildade sempre cabe em qualquer lugar, inclusive no esporte.