quinta-feira, 9 de junho de 2011

Meninos da seleção precisam crescer

O atacante Neymar é uma das maiores promessas do futebol mundial
A seleção brasileira escolheu um adversário frágil para a despedida de Ronaldo. Com o time apresentando graves problemas táticos e técnicos, a CBF não poderia se arriscar numa noite festiva. Boa parte dos titulares da seleção europeia não veio ao Brasil. Era a chance de os comandados de Mano mostrarem serviço. Falharam.
Na festa do Fenômeno, a seleção entrou em campo querendo jogo. Tentando convencer o treinador que deveria ser convocado para a Copa América, Fred correu demais nos 30 minutos em que ficou em campo. Errou algumas tentativas, mas não se omitiu e foi premiado com o gol da vitória.
Neymar também foi participativo e Jádson aliou a técnica à velocidade. Fez sua melhor apresentação com a camisa da seleção e demonstrou que pode ser útil. O Brasil criou muitas chances na primeira etapa. Parte delas devido a erros técnicos e de posicionamento da Romênia, que parecia envergonhada quando chegava ao campo de ataque.
Ronaldo entrou aos 30´ e incendiou a torcida. Todos os jogadores brasileiros e, talvez até alguns romenos, queriam que ele se despedisse com um gol. Solidária, a seleção atuou em função do craque, mas ele perdeu as três chances criadas.
O baile de despedida de Ronaldo acabou no intervalo. O futebol da seleção também. E a torcida foi a maior vítima da falta de interesse dos jogadores brasileiros no segundo tempo. O índice de criatividade despencou a quase zero e os lances de perigo tornaram-se raros, de parte a parte. Até brinquei no Twitter ao escrever que, na etapa final, se a Romênia empatasse, Mano seria cortado da lista da Copa América. Não veio o empate, mas as vaias se multiplicaram no Pacaembu.
Mais uma vez, no conjunto da obra, a apresentação foi decepcionante. O treinador reconheceu que a seleção pouco produziu nos dois últimos amistosos, mas, segundo ele, com tempo para treinar, haverá avanços significativos a partir de julho. Para isso, apostou na experiência e foi conservador na última convocação para a sua primeira competição oficial. Enquanto Neymar, Lucas, Ganso e Pato ganham maturidade, os atletas mais rodados têm a missão de segurar o tranco e evitar vexames da seleção. Espero que eles consigam.

Sete cortados - Os goleiros Fábio (Cruzeiro) e Jéferson (Botafogo), os meio-campistas Henrique (Cruzeiro), Thiago Neves (Flamengo) e Anderson (Manchester United), além dos atacantes Nilmar (Villarreal) e Leandro Damião (Inter), foram cortados por Mano Menezes. Mesmo lesionados, Ganso e Pato foram chamados.


Detalhes - Os três clubes que mais cederam jogadores à seleção para a Copa América foram Milan, Inter de Milão e Santos. Juntos, eles colocaram nove dos 22 convocados pelo técnico Mano Menezes. Seis atletas que atuam no Brasil foram chamados: Victor (Grêmio); Elano, Ganso e Neymar (Santos); Lucas (São Paulo) e Fred (Fluminense).

Festa malfeita - Ronaldo merecia mais da CBF. A festa de terça-feira deveria ter telões com seus gols históricos, um show ao vivo, um apresentador... A volta olímpica e a entrada do Fenômeno no gramado foram decepcionantes. Tudo muito simples para a grandeza do homenageado.

Subindo - Jadson, que fez uma boa partida contra a Romênia. Ele se movimentou bem, serviu aos atacantes e ainda sofreu um pênalti não marcado.

Descendo - O atacante Nilmar, que voltou à seleção badalado, mas não foi bem nos treinos e muito menos no segundo tempo da partida contra o Romênia. Por isso, foi alijado da disputa da Copa América.

2 comentários:

Leticia e Leonardo disse...

legal!!
=]
presente sempre

Mega game disse...

sempre aki
ultrajogosonline.blogspot.com