domingo, 31 de julho de 2011

Os fantasmas húngaros de Massa

Massa vai largar em quarto lugar no GP de hoje
O Circuito de Hungaroring parece carregar uma maldição contra o brasileiro Felipe Massa. Há dois anos, o piloto da Ferrari sofreu nessa corrida o acidente mais sério de sua carreira. Uma mola se desprendeu do carro de Rubens Barrichello e acertou o capacete de Massa, um pouco acima da viseira. Um centímetro para baixo e o acidente ganharia proporções de tragédia. O brasileiro chegou a correr riscos de morte e, passado o drama inicial, sofreu ameaças de não voltar mais a entrar num carro de Fórmula 1.
Passou o tempo, veio a recuperação física, mas a alma de Massa parece ter sofrido avarias naquela prova. O brasileiro, que quase conquistou o título mundial em 2008, perdeu parte de seus poderes e caiu de produção nos meses que se seguiram
Um ano depois do acidente, Massa vivia a expectativa de exorcizar seus fantasmas e recuperar a confiança. Seus planos pareciam estar dando certo no Grande Prêmio da Alemanha, até Fernando Alonso exigir a vitória à sua equipe. O brasileiro liderava a corrida e só não venceu porque foi “aconselhado” pela Ferrari a fazer as vezes de segundo piloto e deixar o companheiro passar.
Massa o fez, a contragosto, e caiu em desgraça esportiva. Ele sofreu uma saraivada de críticas dos fãs e da imprensa brasileira e murchou no cockpit. O ensaio de recuperação foi esquecido e o brasileiro se acostumou no papel de coadjuvante da Ferrari. As disputas com Alonso transformaram-se em derrotas previsíveis e hoje o brasileiro volta ao cenário de sua guerra carregado por uma série de incógnitas.
Nesta temporada, o melhor resultado de Massa foi o quinto lugar. Pouco inspirado nos treinos de classificação, ele levou um baile do espanhol e, nas provas, cumpriu funções meramente burocráticas. Quando fez suas melhores corridas, foi prejudicado por erros capitais da Ferrari e teve que se contentar com a distância do pódio.
Tecnicamente, a equipe italiana se recuperou nas duas últimas provas. Alonso, o queridinho dos diretores, venceu em Silverstone e ficou em segundo em Nurburgring. Massa segue seu trabalho de fiel escudeiro, mas, onde seu fracasso tomou corpo, tem hoje a oportunidade de começar a mudar seu destino. O GP da Hungria começa às 9h (de Brasília).

Há um ano... No ano passado, o australiano Mark Webber, da Red Bull, venceu o GP da Hungria. Fernando Alonso, da Ferrari, ficou na segunda colocação e o pódio foi completado por Sebastian Vettel, da Red Bull. Felipe Massa, da Ferrari, ficou na quarta colocação.

Vettel - Vettel espera detonar a concorrência em Budapeste para voltar a impor respeito na tabela. O líder do Mundial não vence há três provas e o domínio absoluto da Red Bull já é contestado por alguns críticos. Nas últimas duas corridas, Vettel terminou em segundo e quarto.

Chato - O GP da Hungria é um dos mais chatos da F-1. Os raros pontos de ultrapassagem fazem da corrida quase sempre uma procissão. Neste ano, a grande diferença entre pneus macios e duros geram uma certa expectativa de domingos melhores em Hungaring. Terminada a corrida de hoje, a F-1 para por quase um mês e volta na Bélgica, no dia 28 de agosto.

Nenhum comentário: