domingo, 17 de julho de 2011

Seleção faz jogo eliminatório contra o Paraguai

Alexandre Pato já marcou dois gols na Copa América
Mano Menezes passou no teste da primeira fase. A Copa América apresentou-se inóspita à seleção brasileira, mas, no final das contas, salvaram-se todos. Mesmo com dificuldades, o Brasil se classificou em primeiro lugar do Grupo B, com cinco pontos, e enfrenta hoje o Paraguai, às 16h, pelas quartas de final.
O adversário da seleção chegou à segunda fase com uma campanha ruim. Foram três empates em três partidas, garantindo a terceira vaga na chave do Brasil. Não custa lembrar, no entanto, que foram os paraguaios os adversários mais perigosos enfrentados pelo time Mano. No último dia 9, eles chegaram a estar vencendo por 2 x 1, mas Fred entrou nos minutos finais da partida e igualou o placar com um gol aos 44 minutos.
A vantagem da seleção é conhecer bem o adversário. O Paraguai gosta de marcar até individualmente e, contra o Brasil, deve esperar para contra-atacar. As investidas do atacante Roque Santa Cruz, se jogar, são muito perigosas, assim como as jogadas pela ponta esquerda, com Estigarríbia.
Maicon vai precisar trabalhar dobrado para conter os avanços do adversário e ainda chegar à linha de fundo para servir aos companheiros.
No primeiro jogo entre as duas seleções, o atacante Neymar recebeu atenção especial dos defensores paraguaios, tanto que Jadson teve liberdade para jogar no primeiro tempo. Nessa partida, Ganso teve também sua melhor atuação nesta Copa América, se movimentando bem e distribuindo passes verticais.
Resta saber se o técnico Gerardo Martino vai manter a estratégia. Maicon foi o grande destaque da seleção na goleada por 4 x 2 sobre o Equador, quarta-feira, e, se jogar com o espaço deixado pelo Paraguai no primeiro duelo, pode desequilibrar. Neymar vai precisar se movimentar muito e receber o auxílio de um meia ou do lateral-esquerdo André Santos para escapar da marcação individual e desenvolver seu futebol.

Robinho ainda não encontrou seu espaço no time de Mano Menezes
Mano Menezes
deve manter 4-3-3

Antes de a Copa América começar, o técnico Mano Menezes disse que iria, em principio, escalar a seleção brasileira de acordo com o adversário. Ele admitiu que o esquema com três atacantes deixava a defesa vulnerável e, que diante de seleções mais qualificadas, a tendência era formar o meio-campo com quatro jogadores.
Contra Venezuela e Equador, Mano optou por Robinho, mantendo Neymar e Pato na frente e deixando apenas Ganso na armação. No primeiro jogo contra o Paraguai, ele mudou de ideia e resolveu apostar em Jadson. Com o time vencendo a partida no primeiro tempo, o treinador fez uma alteração mais conservadora: sacando Jadson, que já havia recebido um cartão amarelo, para colocar Elano. O Paraguai virou o jogo, com gols de Santa Cruz e Valdez, e, depois, o Brasil empatou no fim.
Mano vai efetivar Maicon na lateral-direita, mas, como aconteceu nos três jogos da fase de classificação, deve fazer mistério sobre a formação tática. Se optar pelo 4-3-3, Robinho segue no time; se decidir pelo 4-4-2, as opções são Jadson e Elano. Lucas, do São Paulo, poderia ser testado caso Mano resolvesse escolher um meio-campo mais ofensivo. O zagueiro Thiago Silva, com dores musculares, foi poupado do treino de sexta-feira e, se não for liberado pelos médicos, deve ser substituído por David Luís.

Resumo - O técnico da seleção disse que gostou da atuação ofensiva do time contra o Equador e projeta a evolução do Brasil na fase eliminatória da Copa América. “A gente já soube aproveitar os bons momentos da partida contra o Equador. Crescemos um pouco nesse terceiro jogo, fizemos a nossa melhor apresentação, mas precisamos continuar melhorando por que a competição vai se afunilando. Se o grau de exigência pode ser o mesmo, pois vamos enfrentar um adversário que já enfrentamos, a tensão aumenta. O jogo com o Paraguai vale mais, o custo dele é maior. Temos que estar cada vez mais preparados para isso para avançarmos na competição”, analisou o treinador.

BRASIL: Julio Cesar, Daniel Alves, Thiago Silva (David Luís), Lucio e André Santos; Lucas Leiva, Ramires, Robinho (Jadson) e Paulo Henrique Ganso; Neymar e Alexandre Pato. Técnico: Mano Menezes.

PARAGUAI: Villar, Piris, Verón, Alcaraz, Da Silva e Torres; Vera, Ortigoza, Riveros e Estigarribia; Barrios e Santa Cruz. Técnico: Gerardo Martino.

Pato começa a voar na Copa América

O atacante Alexandre Pato foi o melhor jogador do ataque da seleção na partida contra a Venezuela. Ele deu aula de como se deve matar a bola, se movimentou bem, acertou o travessão, mas não fez gols. No segundo jogo, diante do Paraguai, ficou preso à marcação adversária e quase não foi notado em campo. Para piorar sua situação, Fred entrou em campo aos 39 minutos do segundo tempo e marcou o gol do empate.
Pato quase perdeu a condição de titular. Chegou até a dar entrevistas conformado, enaltecendo o grupo e a qualidade dos jogadores que estavam na reserva. O técnico Mano Menezes resolveu dar ao jovem atacante uma segunda chance e não se arrependeu. Demonstrando qualidade técnica e presença de área, o camisa 9 marcou dois dos quatro gols da seleção e foi até escolhido pela Fifa o melhor jogador em campo na vitória  sobre o Equador, por 4 x 2. “Esse prêmio aqui é de todo o grupo. Meus companheiros ajudaram a ganhá-lo e todos nós somos vitoriosos”, discursou, o jogador, que vibrou muito quando marcou os gols.
 “Quero muito ser campeão dessa Copa América. Essa é a minha Copa do Mundo, já que não pude participar do grupo que foi à África. Estou aqui só pensando nisso. Conquistamos uma grande vitória sobre o Equador, mas ainda faltam três jogos e vamos com tudo atrás desse título”, emendou.
Aos 21 anos, o atacante do Milan tem agora a responsabilidade de defender a posição que já foi de Romário e Ronaldo. “Além de foras de série, são ídolos de várias gerações, jogadores que eu respeito muito
e que tenho como referência. É uma honra jogar no ataque da seleção”, comentou.

Goleiro Julio Cesar papou um frango na partida contra o Equador
Goleiro Julio Cesar está em crise

 Ao contrário de Pato, o goleiro Julio Cesar está em baixa na seleção brasileira. Ele voltou a ser convocado em janeiro, após viver a pior experiência de sua vida esportiva. O goleiro falhou no primeiro gol da Holanda nas quartas de final da Copa do Mundo e até hoje é considerado um dos vilões da eliminação.
Desde seu retorno, Julio foi titular da seleção em sete jogos. Nessa sequência, sofreu cinco gols e amargou uma derrota, para a França, no dia 9 de fevereiro, por 1 x 0. Apesar de os resultados não serem tão animadores, já que o Brasil venceu nesse período três jogos contra seleções consideradas frágeis e ainda empatou três vezes, o goleiro não havia sido notado até a partida da última quarta-feira.
Julio levou um frangaço no primeiro gol do Equador e também falhou no segundo. Após o jogo, ele reconheceu a má atuação. “Eu me daria 1,5 ou 2 nesta noite. A minha atuação foi abaixo do que eu esperava”, declarou o jogador da Inter de Milão, que também andou falhando na última temporada europeia e deixou de ser unanimidade no clube.
Apesar do período de instabilidade, Julio Cesar disse que não teme perder a posição. Sei do meu potencial, sei o que posso dar à seleção. Não se pode avaliar um jogador por uma falha, mas por uma série de partidas”, declarou o arqueiro, que fechou o gol no amistoso disputado contra a Holanda, no mês passado, em Goiânia. Nos coletivos que antecederam o jogo de hoje diante do Paraguai, o técnico não deu nenhum indício de que pode barrar seu camisa 1. “Conversei muito com o Mano nesses últimos meses e sei que tenho a confiança do nosso treinador”, enfatizou o jogador.

Um comentário:

Saulo disse...

Essa Copa América tá surpreendente. O Brasil que abra mais o olho. É preciso mostrar muito mais futebol para avançar.