sexta-feira, 19 de agosto de 2011

O político Mano Menezes

Mano Menezes talvez seja o mais político dos últimos treinadores da seleção. Ele não morre abraçado com suas convicções. Um exemplo foi a saída da lista de André Santos. O jogador era titular absoluto de Mano e não vai pegar nem um banco contra Gana, no próximo dia 5, em Londres. Marcelo, que tivera problemas com o treinador, foi perdoado pela absoluta falta de opções para a lateral-esquerda e deve até ser titular no próximo amistoso.
Mano também costuma dar voz aos clamores populares. Ronaldinho Gaúcho se destaca com a camisa do Flamengo há cinco jogos. Antes disso, era cobrado pela própria torcida rubro-negra por, às vezes, se omitir em campo. Mas, sem opções para a armação, já que Ganso não vem jogando nada no Santos, decidiu chamar o meia do Fla. Foi um pedido de socorro. Com o novo xodó do Flamengo no escrete, as críticas ao treinador tendem a diminuir.

Barrados -Achei corretas também as barracões do goleiro Victor, do Grêmio, e do atacante Fred, do Fluminense. O primeiro passa pela pior fase de sua carreira, falhando sucessivamente e sendo perseguido pela própria torcida. O centroavante precisa se livrar dos problemas extracampo e engatar uma boa sequência de jogos no Tricolor para voltar a ser observado. Por enquanto, tem falado mais do que jogado.

Quero um goleador -Mano, claramente, busca um centroavante de confiança. Ele barrou Fred para apostar em Hulk (Porto) e Leandro Damião (Inter). Quem precisa se cuidar também é Alexandre Pato. Até agora, o jogador do Milan pouco produziu com a camisa verde-amarela.

Luiz Gustavo - Ex-jogador de Corinthians-AL e CRB, Luiz Gustavo terá sua segunda chance na seleção brasileira. Ele jogou nos minutos finais da derrota para a Alemanha e pouco acrescentou. O meia Fernandinho, que chegou a ser testado no time titular, também volta a compor o grupo brasileiro.

Entra e sai - O lateral-direito Maicon havia recuperado a condição de titular com boas atuações na Copa América. Na apresentação para o jogo contra a Alemanha, ele chegou atrasado e parece ter perdido a confiança do treinador. O lateral Danilo, que atua no Santos e defende a seleção sub-20, ganhou, assim, sua primeira chance no escrete principal.

A seleção que dá certo - Por falar em seleção, não há como esquecer do time que dá certo. O Brasil Sub-20 honra as tradições do País no futebol e vai disputar a grande decisão do Mundial, amanhã, às 22h, contra Portugal. Quarta-feira, a seleção detonou o México com dois gols do atacante Henrique (São Paulo), outro achado do técnico Ney Franco, que montou uma equipe competitiva mesmo sem poder contar com os astros Neymar e Lucas.

Retranca pela frente - O desafio da seleção brasileira é vencer a forte retranca portuguesa. Nosso adversário chegou à decisão do Mundial sem ter levado nenhum gol na competição. Por outro lado, devemos exaltar também nosso sistema defensivo, que foi vazado apenas uma vez, na primeira rodada do torneio. O goleiro Gabriel (Cruzeiro) é um sério candidato a muralha da Copa do Mundo.

Adversário - Em 1991, a seleção brasileira pegou Portugal na decisão do Mundial. Nosso adversário tinha uma geração comandada por Luís Figo e nos derrotou nas cobranças de pênaltis. Chegou a hora da revanche.

Ney Franco no Pan - A excelente campanha de Ney Franco à frente da seleção sub-20 está dando moral ao treinador na CBF. Ele, inclusive, deve comandar o Brasil nos Jogos Pan-Americanos, marcados para começar em 13 de outubro. Ney deve convocar a base da seleção que está disputando o Mundial Sub-20.

Nenhum comentário: