sábado, 9 de junho de 2012

Seleção trocou socos com Mike Tyson


Lionel Messi fez a diferença para a Argentina contra o Brasil
A seleção brasileira foi derrotada neste sábado porque quis trocar socos com Mike Tyson. Para enfrentar a fera, Mano, é preciso definir uma boa estratégia. Nenhum time sai ileso após fazer uma marcação frouxa em Messi. Nossos volantes e zagueiros apenas viram de perto as arrancadas fulminantes do astro no campo de New Jersey. Nada mais.

O melhor do mundo só apareceu em campo para decidir e marcou simplesmente três gols na vitória da Argentina nesta tarde sobre o Brasil, por 4 x 3, nos EUA. O que deve ficar bem claro para a imprensa e a torcida brasileira é que Neymar pode ser um dia, mas está longe de ser o craque do Planeta.

Nas partidas mais difíceis da seleção, ele ainda não define. Correu, se esforçou, mas ainda precisa de tempo para amadurecer. O próprio Messi foi cobrado por não atuar bem com a camisa de sua seleção e, nesta temporada, começou a fazer a diferença.

O camisa 10 marcou 82 gols (juntando Barcelona e Argentina) no ano e foi o diferencial do clássico. Não fosse ele, a seleção teria vencido, já que a zaga argentina é fraquíssima. Taticamente, a partida foi definida no ataque. Sabella abriu seu time porque sabia que Messi dá socos destruidores, assim como Tyson. Mano manteve seu sistema ousado porque parece não ter alternativas. Ele manda seus times a campo desta forma desde o título da Copa do Brasil com o Corinthians.  

Constatação
O tempo passa, o tempo voa e a seleção brasileira segue sem vencer os rivais mais tradicionais. Por enquanto, na “Era Mano, só ganhou de adversários do segundo e terceiro escalões do futebol mundial.

Nenhum comentário: