sábado, 31 de maio de 2014

Amarcord, o melhor filme de minha lista

A música se espalha e revolve nossas lembranças mais ingênuas. As cenas tratam do cotidiano de uma pequena cidade com poesia impactante e atemporal. Há em nossas memórias momentos que se passam em ritmo lento, pequenas ações que parecem se sobrepor à narrativa comum dos dias simples. Todos temos essas sequências bem guardadas. Como por encanto, essas mesmas imagens parecem ter sido realçadas por Frederico Fellini no melhor filme de minha lista.

Amarcord, de 1973, destaca a nossa aldeia, seja qual for o rio que lhe corta, e nos inspira a colorir caminhos gastos por idas e vindas. O simples se torna sofisticado. O circo se faz ópera. E a vida se lança num baile fascinante, embalado pela melodia avassaladora de Nino Rota.

No filme, o jovem assiste ao tempo passar de repente, como o lindo transatlântico que venceu o nevoeiro e se mostrou a seu público. As estações se sucedem e a vida na cidade se repete, mas parece ter ganho projeção com o andamento das cenas. Tantas tomadas distintas dão impressão de não serem costuradas dentro de um mesmo filme, parecem não lhe dar propósitos ou mesmo um objetivo. Ao fim, o roteiro ganha força e nos arrebata com quase todas as respostas que precisamos.

Cinema não é apenas entretenimento. Ele pode ser interessante, inspirador ou persuasivo. As cenas que sobrevivem por longo tempo após serem assistidas têm o mesmo impacto de um segredo. Revelado, ele pode não mudar o rumo natural dos acontecimentos ou pode tão somente instigar um homem à revolução. Visto como um suspiro poético, Amarcord tende a mudar o conceito de arte para quem diminui o cinema, o cotidiano e as jovens memórias.


Ano: 1973
Direção e Roteiro : Federico Fellini
Fotografia : Giuseppe Rotunno
Musica : Nino Rota
Duração:
127 min.
Locação:
Rimini e Estudio Cinecittá, Roma, Itália.
Elenco : Pupella Maggio, Armando Brancia e Magali Noel
Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 1976.
Bodil Festival 1975, Melhor Filme Europeu.

DVD
: Criterion Collection, lançado em 1998.


Nenhum comentário: