quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Perdidos e achados

Vi um rastro perdido - só um rastro
Não foi perdido para sempre
Porque o achei perto do poente
Perto de voltar para casa
Carregado de pegadas firmes
Que logo o vento transformaria em poeira
Mas o rastro perdido foi achado
Somente achado, achado enfim
- Qual confuso animal seria capaz
de perdê-lo? - perguntei. Não sei, não sei
E diante do tempo da pergunta me desfiz:
Talvez o mesmo que vivia cantando em mim

(Victor Mélo)

Nenhum comentário: